quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Biografia de Henri Wallon

Filósofo, Médico e Psicólogo do Desenvolvimento.

Henri Wallon nasceu em 15 de junho de 1879, em Paris. Viveu toda sua vida em Paris.
Em 1902, aos 23 anos formou-se em filosofia pela Escola Normal Superior. Durante o ano seguinte deu aulas da matéria no curso secundário.
Como professor discordava dos métodos autoritários, empregados para controle disciplinar, bem como do patrulhamento clerical sobre o ensino, o qual levava segundo suas palavras, ao obscuratismo e à desconfiança.
Na época que Wallon fez seus estudos, não existia, na estrutura da universidade curso específico de Psicologia.
Impulsionado pela tradição médico – filosófica da psicologia francesa, mas também pelo interesse em conhecer a organização biológica do homem, resolveu cursar medicina, formando-se em 1908. Seu primeiro trabalho, Délire de persécution. Le délire chronique à base d'interprétation (“Delírio de perseguição. O delírio crônico na base da interpretação”), foi publicado em 1909. Em 1914 serviu durante meses como médico no Exército francês, na frente de combate. O contato com as lesões cerebrais sofridas por ex-combatentes fez com que revisse postulados neurológicos que havia desenvolvido no atendimento a crianças com deficiência.
Até 1931, atuou como médico em Instituições Psiquiátricas, onde dedicou-se ao atendimento de crianças com deficiência neurológicas e distúrbios comportamentais. Paralelamente à atuação como médico, se interessou pela Psiquiatria, consolidando seu interesse pela Psicologia da Criança.
Os conhecimentos no campo da Neurologia e Psicopatologia, adquiridos durante a experiência clínica terão importante papel na constituição de sua Teoria Psicológica.
De 1920 à 1937, passa a ser encarregado das conferências sobre Psicologia da Infantil na Universidade Sorbonne. Em 1925, funda o que mais tarde viria a ser, o laboratório de Psicobiologia da Criança.
De 1937 à 1949, com interrupção no período de 1941- 44, lecionou no Colégio da França, instituição considerada o berço da Psicologia Francesa, ocupando a Cadeira de Psicologia e Educação da Criança. Em 1945 publica seu último livro, Les origines de la pensée chez l'enfant (“As origens do pensamento na criança”).
Henri Wallon viveu num período marcado por muita instabilidade social e turbulência política. Acontecimento como as duas guerras mundiais (1914 -18 e 1939 - 45), o avanço do fascismo no período entre guerras, as revoluções socialistas e as guerras pela libertação das colônias na África, atingiram boa parte da Europa e, especialmente à França.
No final dos anos 30, Wallon envolveu-se em movimentos contra o Fascismo tendo participado das manifestações de protestos contra a Ditadura de Franco, na Espanha.
Durante a ocupação Nazista na França, Wallon atuou intensamente na Resistência Francesa. Perseguido pela Gestapo, a polícia política dos nazistas, teve que viver na clandestinidade, veio ao Brasil em 1935. Durante esse período de resistência, envolveu-se em discussões acerca da reforma do sistema de ensino francês.
Wallon foi um destacado ativista marxista. Em 1931, filiou-se ao Partido Socialita Section Française de l'Internationale Ouvrière (Seção Francesa da Internacional dos Trabalhadores, SFIO). Em 1942 filia-se ao Partido Comunista Francês.

Em 1944, Wallon foi chamado para integrar uma comissão nomeada pelo Ministério da Educação Nacional, encarregada da reformulação do sistema de ensino francês. De 1945 à 1946 atua como presidente da comissão de reforma educacional, propondo o famoso Plano Langevin-Wallon.
Escreveu diversos artigos sobre temas ligados à Educação, como: Orientação Profissional, Formação do Professor, Interação entre Alunos, Adaptação Escolar, entre outros.
Participou ativamente do debate educacional de sua época, quando os críticos ao ensino tradicional reuniam-se no Movimento Escola Nova.
Em 1948, cria a revista Enfance, publicação que deveria ser ao mesmo tempo instrumento para os pesquisadores em Psicologia, e fonte de informações para os educadores.
Presidiu a Sociedade Francesa de Pedagogia, de 1937 à 1962.Essa entidade, reunia educadores, com o objetivo de trocar experiências e reflexões. Assim, pôde entrar em contato com o meio dos professrores e com os problemas concretos do ensino primário.
Faleceu em 1º de dezembro de 1962.
Bibliografia Pessoal de Wallon
Escreveu os seguintes livros:
Délire de persécution. Le délire chronique à base d'interprétation., Baillière, Paris, 1909
La conscience et la vie subconsciente em G. Dumas, Nouveau traité de psychologie, PUF, Paris (1920-1921)
L'enfant turbulent, Alcan, Paris, 1925, reed. PUF, Paris 1984
Les origines du caractère chez l'enfant. Les préludes du sentiment de pesonnalité, Boisvin, Paris, 1934, reed.PUF, Paris, 1973
La vie mentale, Éditions sociales, Paris, 1938, reed. 1982
L'évolution psychologique de l'enfant, A. Colin, Paris, 1941, reed. 1974
De l'acte à la pensée, Flammarion, Paris, 1942
Les origines de la pensée chez l'enfant, PUF, Paris, 1945, reed. 1963
Obras traduzidas para português:
Evolução psicológica da criança, Andes, Rio de Janeiro, s.d.
Psicologia e educação da infância, Estampa, Lisboa, 1975 (coletânea).
Objetivos e métodos da psicologia, Estampa, Lisboa, 1975.
Origens do pensamento na criança, Manole, São Paulo, 1989.
Observamos ainda uma relativa distância da totalidade Teórica de Wallon, mas como o Brasil só publicou em 1997 o Ser e o Nada de Jean Paul Sartre, Ed. Vozes, obra publicada em 1945 na França. Tenho esperança de que novas obras do referido “Filopsicomédico” Wallon, possam nos ajudar a educar uma nação que tanto necessita compreender o papel da educação infantil, objetivando formar adultos capazes de praticar uma leitura mais ampla do homem e a psicogênese.
Também é importante ressaltar os livros da professora Izabel Galvão, sem ela estariamos mais órfão ainda dessa magnífica forma de compreender a infância, a partir da Teoria de Wallon.

Este artigo se destina a Pedagogos e Profissionais de Educação em Geral

Vem aí, próximos artigos sobre a Biografia de Jean Piaget, Lev Vygotsky e Célestin Freinet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário